Compra do 1o. Jipe: orientações.

Do Notícias de Jipeiros, edição N° 861/2008 do Jornalista Roberto Guedes

Texto na internet orienta sobre como agir para comprar o primeiro jipe

 

Um texto que circula há algum tempo na internet mostra como os interessados em se transformar em “off roaders” e mais especificamente em jipeiros devem proceder na ocasião de comprarem o seu primeiro veículo de tração nas quatro rodas. Notícias de Jipeiros o veicula hoje, agradecendo ao leitor Job Azevedo por tê-lo encaminhado à redação, e não apresenta a assinatura de seu criador somente por desconhecer a autoria.

Eis o texto:

A compra do primeiro Jipe. O que verificar:

O primeiro jipe a gente nunca esquece (apesar de muita terapia).

Em diversas listas e fóruns do meio off-road que participo, sempre tem um novado com as dúvidas sobre como comprar um off-road, ou pior, que já comprou e não sabe o que fazer da vida.

Reuni aqui diversas dicas e cuidados que você precisa ter antes de comprar um off-road.

São dicas simples, que quando seguidas, podem garantir um bom negócio e muita alegria com a nova aquisição.

Se você tiver alguma dica que esqueci, ou conhece uma lista ou site legal que possa ajudar os novatos, clique em "Comentar o post" e escreve lá.

1)  O que é um off-road?

Um off-road tem que ter duas das três características: Alto, 4×4 e reduzido.

O TR4, Tracker, Vitara, Samurai, Jimmy são 4×4 e reduzidos, porém não são altos. Apesar que com algumas modificações todos podem ficar mais altos, dentro de alguns limites.

Já o Engesa é alto, 4×4, porém não tem reduzida. Mas tem uma 1º marcha bem reduzida.

Rural, Jipe, Troller, Niva, LandRover Defender, Envesa, JPX, Ranger, S-10, Hilux, Candango, Wrangler e Cherokee são altos, 4×4 e reduzidos. Por isso são os predilétos para trilhas.

EcoSport 4×4 e Rav 4 são 4×4, mas não tem reduzida e nem são altos, o que os desclassifica como um off-road.

Ecosport 4×2, CrossFox, Pálio Adventure, Peugeot Escapade não são 4×4, nem altos e nem reduzidos. Sendo, apesar de muita propaganda, apenas carros normais.

2) Qual o melhor 4×4 para trilha?

Não existe! É besteira querer achar o melhor! Cada off-road tem suas vantagens e desvantagens. Você terá que escolher com quais quer viver. Sendo mais prático. Um Troller apresenta ótimos ângulos de entrada e saída, altura, força, etc. No entanto tem pouco espaço interno e conforto. Uma Hilux Sw4 (veja aqui nosso teste) não tem a mesma altura, nem os mesmos ângulos, mas tem muito mais espaço e conforto. Em algumas situações, carro curto é melhor, em outras carro comprido é melhor. O pequeno Samurai tem um motor 1.3, mas graças a reduzida e leveza, muitas vezes passa por obstáculos que um Troller com seu poderoso Diesel 3.0 não passa. Sendo assim, o melhor é saber o que você quer. E cada carro lhe dará alegrias e tristezas.

3) Quero um carro para a trilha e para o dia a dia!

Muitas pessoas cometem esse erro. Se você é apaixonado por off-road, tenha uma super off-road e ande de Fiat Uno na cidade. Se nem tanto, ande com um Honda Civic (ou qualquer outro carro) na cidade e compre um CJ-5 bem simples para a trilha de fim de semana. Mas um carro para os dois mundos não trará alegria em nenhum deles.

Na trilha você precisa de pneus lameiros agressivos (50% da trilha é pneu), já esse tipo de pneu na cidade é barulhento, consome mais combustível e freia com dificuldade. Altura sempre ajuda, então normalmente carros mais baixos recebem body-lift, lift de suspensão para ficarem mais altos, o que ajuda a transpor obstáculos. Porém isso aumenta o centro de gravidade do veículo deixando o veículo menos estável nas curvas. E mesmo que você tenha Porsche Cayenne ou um VW Touareg que regulam suspensão, em uma trilha de fim de semana pode quebrar alguma peça, e na segunda-feira você vai ter que ir de ônibus para o trabalho.

4) Sai caro? Tem peça?

Cada carro tem um preço e suas peças também.. Pela lei Brasileira, as montadoras e importadoras precisam oferecer peças de reposição por 10 anos após o último ano de fabricação do veículo. Depois disso, é minerar peças em concessionárias e desmanches. A Cherokee Sport está atualmente sendo usada em muitas trilhas. Com motor forte, suspensão bem trabalhada e todo o conforto de um SUV. No entanto, é um SUV importado e fora de fabricação. Suas peças são muito difíceis de encontrar e quando encontradas são muito caras. Carros nacionais, mesmo quando fora de linha, tem reposição de peças fácil no mercado paralelo. Por isso, antes de comprar, faça uma pesquisa de preço. Telefone para lojas de autopeças e pergunte.

Um Range Rover é um excelente off-road, desde que você possa pagar por ele.

5) Nunca fez trilha.

Principalmente na linha da Suzuki, Jeep e Mitsubishi é comum em anúncios de carros usados a frase: Nunca fez trilha.

Se a frase está no anuncio, desconfie! Agora com um espírito CSI, leve o carro até um elevador automotivo, encontrado em postos de combustível. Se o antigo dono fez trilha, existirão marcas em baixo do veículo.

Procure arranhões no chassi. Arranhões leves podem significa pequenos passeios na areia e mato.

Marcas no diferencial é prova que ele passou pelo "facão" em trilhas ou em alguma estrada muito ruim.

 Eixos-cardã e caixa de marcha arranhados significam na maioria dos casos trilha, de média a pesada.

Se o veículo tiver protetor de cárter verifique amassados. Caso não tenha protetor, verifique se o cárter tem marca, se tiver significa trilha pesada e com risco de ter trincado o cárter.

Amassados no chassi com pontos de ferrugem são outro indicativo forte de trilha.

Agora se o chassi foi pintado! Desconfie muito mesmo. Apenas colecionadores pintam chassi. Pintar chassi de um carro que "nunca fez trilha" pode significa ferrugem e batida forte resultando em perda total. Você pode estar diante de um carro recuperado.

6) O que olhar antes de comprar?

Se você vai comprar um carro de trilha ou até mesmo um que "nunca fez trilha", faça as seguintes verificações(algumas valem até para carros normais).

– Documentação

Jipes antigos, apesar de isentos de IPVA, podem ter seguros obrigatórios atrasados, com o Renavam consulte as dívidas do veículo. Solicite a seu agente de seguros para verificar se esse carro não é roubado ou com PT (Perda total).

– Motor

No mundo off-road trocar motor é rotina. Solicite ao dono a documentação da troca do motor e confira o número do motor e do chassi junto ao Detran. Em off-roads mais novos procure por vazamentos, no entanto em Jipes e Rurais mesmo quando zero km já apresentavam problema de vazamento (Fonte: Quatro Rodas). Mas é claro que todo vazamento tem um limite.

Se não entende de motor, vale a dica: Leve a quem entende! E que seja da sua confiança.

– Reduzida e Caixa

É comum a quebra desses componentes, por isso teste. Ligue a 4×4, verifique se as quatro rodas estão girando. Se tiver reduzida ligue a reduzida. Você verá o carro andar lento e com muita força. Alguns modelos tem a roda-livre que é uma "rosca" localizada nas rodas dianteiras, elas são responsáveis por ligar as rodas ao eixo-motriz. Observe se giram até o final.

– Suspensão

Em feixes de mola observe as buchas se não estão quebradas e ressecadas. Procure por lâminas tortas e trincadas. Em molas helicoidas e barra de torção verifique se o batente não está muito danificado.

Nos amortecedores procure vazamento. Empurre o carro para baixo com as mãos no capô (para as rodas dianteiras) e na tampa do porta-malas (para as rodas traseiras). Se ele balançar uma única vez e parar, é sinal que os amortecedores estão em bom estado. Se ele balançar várias vezes é sinal de que o equipamento deve ser substituído.

– Freios

Off-roads antigos tem freios ruins. A Rural por exemplo foi critica pela revista Quatro Rodas na edição de 1975. Ou seja, quando nova, já tinha freios ruins. Imagine 34 anos depois. Retire a roda, veja as lonas de freio ou pinças. Teste o freio em linha reta e observe puxadas.

– Direção

Folga na direção é comum em veículos antigos. Feriado prolongado não! Observe isso. Até 5 cm é aceitável.

Isso vale para veículos antigos. Novos não podem ter. Apesar de que os Trollers até o modelo 2001 apresentavam folga no volante.

– Elétrica

Acenda todas as luzes do jipe e ande em uma estrada esburacada. Veja se essas luzes não vão falhar. Olhe por baixo do painel e procure a fiação, veja se não está arrebentada e oxidada.

7) Frankenstein

Não se assuste com os Frankenstein. Eles são na grande maioria monstros do bem.

Devido a problema de freios, folga na direção, vazamento e falta de peças, os jiperios tem que ir adaptando novas peças para que os veículos continuem andando e ainda fiquem melhores e mais seguros. Tirando os colecionadores, é muito raro achar Jipes Willys e Rurais originais. Tem adaptações convencionais como motor de opala, caixa de direção do Gol ou Santana, freios a disco nas quatro rodas, caixa Clark, amortecedores de Ranger e por ai vai. Já vi até direção elétrica do Fiat Stillo e banco térmico de Golf em Jipe.

Adaptações de freio, direção e suspensão se mau feitas podem causar acidentes. Procure um oficia especializada em jipes e solicite uma avaliação ou ainda leve a uma certificado do Inmetro e solicite os testes de segurança.

8) Seguro

"Desculpe senhor, mas nossa empresa não dá cobertura sobre o modelo de seu veículo".

Essa frase ainda tem a variação da idade. Modelos novos recebem seguro, mas…

No seguro do meu Tracker existe a seguinte cláusula: "O seguro não cobre danos em veículos que participam de atividades esportivas".

E adivinha? Trilha é uma atividade esportiva. Por isso muito cuidado com ela.

Algumas seguradoras oferecem seguro mesmo para jipes antigos, total ou somente para terceiros. Todas exigem vistoria de empresas certificadoras.

9) Guincho, Bloqueio, Hi-Lift, Pá, PX, Laser desintegrador de árvores, etc

Se é seu primeiro jipe. Não se preocupe com essas coisas. Ao longo do tempo e com experiência, você vai sentir a necessidade de adquirir esses acessórios. Se vierem junto com o jipe e estiverem funcionando legal. Mas caso contrário espere para comprar.

10) Últimas dicas

– Vá de Zequinha em uma trilha. Faça uma trilha com um amigo antes de comprar. Veja se você gosta da coisa.

– Não fique triste se seu jipe quebrar ou atolar. Faz parte da brincadeira.

– Lembre-se que um dia você puxa outro jipe, no outro você é puxado. Sempre seja amigo e companheiro. Sem isso seu jipe não irá longe.

Onde conseguir mais informações?

Fóruns e listas de discussões são os melhores meios. Além das revistas especializadas.

 

Anúncios
Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente.

4 respostas para Compra do 1o. Jipe: orientações.

  1. DANILO SILVEIRA disse:

    valeu as dicas!
    quero muito comprar um offroad para aquipa-lo pois no futuro pretendo usar para viajar esse BRASILSão…
    mas nao tenho muita grana pra comprar apenas vinte mil qual seria o melhor opção de compra pra essa finalidade?

  2. Pingback: Iniciante Compra de Troller 2006

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s