Divulgação 18 de abril de 2011

Nessa atualização do blog do Fortaleza Land Clube – FLC destacamos os preparativos para a nossa Trilha Noturna e as notícias sobre II Expedição Transamazônica do médico, aventureiro e parceiro Raimundo Pinto.

Este slideshow necessita de JavaScript.

 I Trilha Noturna

Como já veiculamos por diversas vezes estamos nos organizando para a realização do nosso primeiro evento noturno.

Em vista disto, realizamos dia 10 de abril o levantamento do percurso, que se inicia no Icaraí e se estende até Flecheiras, o deslocamento começou umas 9h e terminou às 17h25min, tendo sido aproximadamente 5h25 em movimento e o restante de paradas para verificar as possibilidades, solução de alguma dificuldade etc.

O dia começou com chuva, que a primeira vista iria durar o dia todo, e com esse pensamento, guiados pelo Lauro, começamos a nossa aventura fazendo algumas inovações em caminhos percorridos por nós, como por exemplo: pegamos uma pequena trilha após o Supermercado Líder que nos levou até o lado da ponte que separa o Icaraí do Cumbuco, e isso, como em outros momentos, foi uma grata surpresa, pois por diversas vezes havíamos passado por ali e nunca tínhamos tido a idéia de desbravar tais recantos, que nos propiciaram um encontro prazeroso com a natureza e claro com o dirigirmos as nossas belas “formosuras” buscando aproveitar tudo que elas podem nos oferecer. Nesse ínterim, tivemos algumas pequenas dificuldades, todas de ordem elétrica, ou seja, a viatura do professor, essa pessoa que exreve, desconectou os fios do sensor do reservatório de expansão e logo após a ponte sofreu um “apagão geral”, mas tudo prontamente solucionado pelo Bruno e o nosso “Zequinha”.

Logo após a barraca do Marcelo, no Cumbuco, voltamos a trilha,que novamente nos brindou com belas paisagens e mais travessias, bons trechos de água empossada da chuva, e nos dirigimos ao posto para calibrarmos os pneus, comprar algumas coisa e retirar dinheiro, caso do Bruno. Pois, ainda chovia e queríamos nos molhar o menos possível. Nesse momento aproveitamos para apresentar a sugestão de layout do adesivo da nossa Trilha Noturna, e após observações, de quase todos, entramos em acordo e fechamos em colocar uns morcegos, darmos proporção a Defender em relação à lua e utilizarmos a fonte da LR e também foi positivo porque conseguimos possíveis patrocinadores para o mesmo, no caso Lombardi’s Mix, do Lauro, Litoral Off-Road, do Bruno e Paulim, a empresa de Turismo, Natália, e a de importação de peças, do Lucien, o “Holandês Voador”.

Prosseguimos o deslocamento por um pequeno trecho de asfalto compreendido entre o posto e a Lagoa do Banana, evitando assim as dunas desse local, temendo a fiscalização de trânsito do município de Caucaia.

Passando da entrada da Lagoa nos deparamos com as obras de melhoria que compreende desse ponto até o Lagamar do Cauípe, que também seguimos por estradas convencionais, que devido as obras estão mais para off-road do que para on-road.

No Cauípe, cruzamos a ponte e fizemos aquele tradicional trajeto que leva ao Lagamar e pegamos a direita em direção ao porto do Pecém, mas logo em seguida, guiados pelo Bruno, nos dirigimos às dunas e chegamos a uma pequena trilha, conhecida por nós através do Rogério Bessa de quando visitamos a sua casa de praia, e passamos por dentro do Complexo Portuário, que tivemos a oportunidade de vislumbrar as obras que estão sendo realizadas, sendo assim chegamos ao Pecém. Devido às condições de tráfego, na praia, tivemos que passar por dentro da cidade retornando somente um pouco mais a frente e nos deslocaríamos agora com destino a Taíba pela beira mar, que foi muito belo e tranqüilo.

Nas proximidades da Taíba a chuva havia diminuindo bastante e o sol começava a surgir.

Saímos da beira-mar nas proximidades da barraca de praia perto da rampa de claçamento vizinho a uma grande residência, e mais uma vez a tração integral e o vão livre considerável das viaturas nos permitiu a su´peração do obstáculo com facilidade.

Devido às poucas condições de tráfego na praia cruzamos a Taíba pôr dentro e saímos para a direita, bem próximo a Usina Eólica, pois, desejávamos dali por diante, nos deslocarmos pela praia como também aproveitar para explorar novas possibilidades.

Guiados por Bruno, chegamos a uma estrada de piçarra que nos levou a um Lagamar onde conseguimos atravessar a sua primeira porção, mas que infelizmente devido o nível da água e correnteza tivemos que retornar fazendo uma alça, por estradas vicinais, que nos levaram a uma bela passagem molhada com uma correnteza bem forte e com vários banhistas que vendo o comboio passar aproveitaram para fotografar.

Apesar do temor conseguimos fazer a travessia sem dificuldade e contemplados pelo olhar atônito e às vezes de incredulidade e/ou admiração ou mesmo de “que são uns loucos”, de algumas pessoas.

Após toda essa volta, que levou aproximadamente uns trinta (30) minutos a uma velocidade de40 km/h, chegamos a uns cem (100) metros do local que a pouco não conseguimos atravessar e tocamos em direção a Paracuru.

O deslocamento em direção ao Paracuru foi realizado quase que todo pela praia, somente subimos nas proximidades do píer da Petrobras devido os banhistas, nesse deslocamento Bruno constatou que algumas porcas das rodas estavam frouxas e paramos para solucionar a situação. A saída da praia também proporcionou uma boa brincadeira, pois com as chuvas o terreno ficou um pouco barrento e se formaram pequenas e profundas depressões com lama e água, que mais uma vez deu um ânimo aos “exploradores”.

De Paracuru a Paraipaba fizemos o deslocamento por estrada de terra, calçamento e asfalto, que fomos brindados com belas paisagens e um bom fora de estrada, apesar de leve.  

O deslocamento transcorreu sem surpresas até a ponte, onde o rio estava com as suas águas bem altas, nos dando, mais uma vez, um belo espetáculo, pois por diversas vezes fizemos esse trajeto, porém após a ponte, na estrada que segue pelo meio da plantação, encontramos uns mil (1000) metros de passagem molhada, ou seja, grandes poças de água da chuva que proporcionaram belas fotos e uma boa curtição, assim chegamos a Paraipaba.

Passamos por dentro da cidade e agora o destino era Lagoinha, que rapidamente atingimos pelo asfalto.

Chegando a Lagoinha fomos em direção a praia e quando lá chegamos tocamos para a direita, subindo em direção as dunas, logo após o Cristo, e percorremos a trilha conhecida por nós que nos levou até a visualização da Lagoa das Almécegas, do alto de uma duna, o que gerou o próximo desafio, as dunas que “brincamos” na nossa última estadia na Lagoinha.

Com Mário e Júlio puxando o comboio chegamos às dunas e concluímos a mesma coisa, idêntico a última vez, ou seja, darmos meia volta e seguirmos em direção a praia contornando o sangradouro da lagoa em direção ao Guajiru.

Rodamos até lá pela praia com nenhum trânsito e com poucos banhistas e somente tivemos um pequeno desafio, atravessar a barra que separa o Guajiru da Lagoinha.

No Guajiru, guiados por Bruno e Lauro, descobrimos as dunas do Guajiru, ou poderíamos dizer um mini Lençóis Maranhenses, pela presença de uma vasta paisagem de dunas entrecortada por pequenas lagoas de água da chuva. Mais uma vez, paramos no alto de uma duna para apreciar o belo espetáculo e registrarmos o momento em nossas memórias e fotos.

É bom relatarmos, que esse momento contemplativo se repetiu por diversas vezes durante o levantamento, pois o espetáculo da natureza encantava. E num misto de admiração e perplexidade todos ficavam boquiabertos de quanta beleza tão próximo de nós e que muitas pessoas, inclusive, alguns do comboio, ainda não conheciam.

Registrando que esse local apesar da grande beleza, talvez fique fora do roteiro devido a grande dificuldade de ser alcançado, pois é constituído basicamente de longos areiões e subidas.

Próximos de sairmos desse local encostou no comboio uma pick-up Triton pedindo informações e colocamos que era melhor não seguir o nosso rastro, no sentido contrário, por dois (2) motivos: estava sozinho e o mesmo era de várias subidas com trechos de areia fofa.

O proprietário da Triton, Vitor, sabiamente deu meia volta, mas antes que voltássemos a “rodar” vislumbramos de longe que o mesmo não conseguia vencer um alto e atolou.

Nos deslocamos ao seu auxílio e nossos receios se confirmaram, ou seja, pneus cheios, inexperiência no fora de estrada e na condução de um veículo 4×4. Prontamente e claro felizes…

“Oh! Pessoal Doido!…

…porque quando alguém atola é motivo de jubilo e alegria, pois podemos vivenciar o trabalho em equipe, os nossos equipamentos e principalmente o saber ouvir e agir em grupo.

Júlio, no guincho, Mário e Bruno na assessoria, ajudaram diretamente no resgate e os demais fotografavam, conversavam etc. e facilmente o Fortaleza Land Clube – FLC executou mais um resgate; no que tivemos a grata satisfação de recebermos um muito obrigado feito pelo Vitor, proprietário da Triton, coisa difícil hoje em dia, mesmo nessa situação.

Daí para o final do passeio foi um pulo, e quando chegamos a Pousada Butterfly House, do italiano Marco Sereno, já era 17h25min, no que levamos mais algum tempo em conversa com o proprietário para conhecer o local e travarmos um acordo; no que deixamos acertados para o dia 13 de agosto a nossa reserva.

Seguimos “cheios de fome” para nos refestelarmos, seria a fala da Bete, numa barraca de praia conhecida pelo Bruno e após algumas poucas cervejas, tínhamos que dirigir e o cansaço de um (1) dia já abatia alguns de nós, e uma boa refeição, estávamos prontos para voltar, pois já eram 19h05min.

Participaram do levantamento Mário e sua filha Michele, Júlio, Lauro, George e Joyce, Bruno e Natália, Lucien e “Zequinha” em quatro (4) Defender 110.

Esperamos que tenham gostado do relato e das fotos, no click de Júlio e Joyce, que revelam um pouco do que aguarda os participantes do evento.

Organizem-se para no dia 13 de agosto a partir das 16h vivenciar conosco mais essa aventura.

Muito obrigado a todos que fizeram esse sonho se realizar.

Abraços, George Marques.

Anúncios
Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Divulgação 18 de abril de 2011

  1. Virgini disse:

    As fotos estão espetaculares! Se o reconhecimento já foi este show imagino o dia oficial da trilha, será um espetáculo completo… Na contagem regressiva para o grande dia. Virginia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s